Filho da redemocratização, Simpatia é Quase Amor chega aos 40 anos Leave a comment

 

O bloco Simpatia é Quase Amor nasceu em 1984, durante a campanha pelas volta das eleições diretas no país e, desde então, vem angariando milhares de foliões a cada carnaval. Com as cores amarelo e lilás, que dominam a camiseta deste ano, o bloco desfila neste domingo de carnaval (11) festejando seus 40 anos na Praia de Ipanema.

 

Notícias relacionadas:

Rio: número de foliões leva Marcha Nerd para Quinta da Boa Vista.Bloco da Terreirada reúne no Rio famílias e foliões criativos.Rio: governo aplica repelente contra dengue em foliões, no Sambódromo.Desde sua criação, o Simpatia é Quase Amor levanta bandeiras políticas. “Democracia é a nossa palavra-chave. Democracia sempre!” disse à Agência Brasil Dodô Brandão, diretor do bloco. O Simpatia começou pequeno, mas agora reúne cerca de 350 mil foliões. “A gente não consegue contar mais. Quem conta é a Polícia Militar. Aí a gente sabe quantas pessoas foram. Eu subo no caminhão, olho e não consigo ver o final do bloco.”

Amarelo, lilás e simpatia dão o tom nos 40 anos do bloco, que sempre levanta bandeiras políticas – Fernando Maia/Riotur

Dodô Brandão lembrou que o bloco teve início entre amigos. Eram jornalistas, economistas, engenheiros e médicos, “todo mundo saindo da faculdade, e o Brasil mudando também”.

 

“Tinha uma certa ânsia de ir para a rua. A turma pensou como poderia ganhar a rua. A solução de consenso foi: ‘vamos fazer um bloco. Vamos ganhar a rua. Era Diretas Já, os anistiados tinham voltado para o Brasil, e estava aquela onda de redemocratização. O bloco foi nessa onda. Alguém deu a ideia do nome, que é um personagem do Aldir Blanc. Convidamos o Aldir, que é o patrono do bloco, e aí a coisa começou.”

No carnaval deste ano, o bloco sai com dois carros de som. O carro extra é para receber as pessoas que já colaboraram com a agremiação, entre os quais autores dos desenhos das camisetas e compositores dos sambas. “É para receber as pessoas que estiverem no Rio, dispostas a comemorar os 40 anos com a gente. Todo mundo que já colaborou. Este ano, o homenageado somos nós mesmos”, afirmou Dodô.

A jogadora de vôlei Isabel Salgado foi a primeira musa do bloco e reinou durante alguns anos. O humorista Bussunda foi o Rei Momo. “Assim foi indo, as pessoas foram chegando. Muitos de nós somos filhos da Banda de Ipanema. Albino [Pinheiro] é o padrinho do bloco, que tem Dona Zica, da Portela, como madrinha. Aí, foi juntando gente. Hoje é essa coisa imensa. Passou rápido, mas nem doeu.”

Animado, Dodô Brandão disse que já está pronto para os novos 40 anos do bloco. “Estamos nos preparando para isso”, afirmou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *